Sessão tem relato de médico da região infectado e curado da Covid-19

por Paulo Torres publicado 09/06/2020 15h25, última modificação 15/06/2020 15h10
A sessão da Câmara de Toledo na segunda-feira, dia 8 de junho, teve a leitura de um depoimento de médico contaminado pela Covid-19 que atua em três municípios da macrorregião e que contou o que passou com a doença desde o final de abril. O relato dos sintomas do médico infectado há cerca de 40 dias e o drama que viveu, enviado via celular, foi lido pelo vereador Walmor Lodi, que aproveitou o que descreveu seu sobrinho para pedir a colaboração da população com os cuidados para evitar pegar a Covid-19.
Sessão tem relato de médico da região infectado e curado da Covid-19

Vereador Lodi leu o relato do médico durante a sessão de segunda-feira e pediu cuidado e colaboração da população contra a pandemia

 

A sessão da Câmara de Toledo na segunda-feira, dia 8 de junho, teve a leitura de um depoimento de médico contaminado pela Covid-19 que atua em três municípios da macrorregião e que contou o que passou com a doença desde o final de abril. O relato do médico infectado há cerca de 40 dias, enviado via celular, foi lido pelo vereador Walmor Lodi, que aproveitou o que descreveu seu sobrinho para pedir a colaboração da população com os cuidados para evitar pegar a Covid-19.

 

Acompanhe o relato do médico infectado lido na sessão da Câmara:

 

“Após o início dos sintomas o meu calvário começou cerca de 24 horas depois, com aparecimento de sensações de cansaço, mas um dia após que me dei conta que era falta de ar, porque piorei. Durante um plantão numa UTI em Cascavel fui examinado por colegas que me afastaram de minhas atividades, solicitaram raio-x, pesquisa para a covid-19 e passaram tratamento com tamiflu 75 mg de 12 em 12 horas e azitromicina 500 mg, uma vez ao dia, ambos por 5 dias. Só havia hidroxicloroquina para pacientes mais graves.”

“Os quatro primeiros dias foram os piores, pois a falta de ar não me deixava descansar e dormia de uma a duas horas a cada aproximadamente quatro horas, que era o que o meu desconforto ventilatório me permitia. Após quatro dias passei a melhorar e no sexto dia de doença eu estava assintomático, porém o inesperado aconteceu após a confirmação do exame.”

“O pior estava por vir, pois jamais imaginei que sofreria a monstruosa discriminação por ter contraído aquela peste. Fui responsabilizado de início por ter ido trabalhar doente, por ter posto a vida de pessoas em risco, teve até um colega que reclamou: “Graças a você fiquei quatro dias sem poder ver minha filha”, fui até xingado. Fiquei muito triste de início, mas quis acreditar que foi só medo por estarmos todos à mercê de um inimigo invisível e tão mortal.”

“No final das contas, os meus cuidados – que nada mais foram que o que todos estamos fazendo, usar máscara, higienizar corretamente as mãos -, fez com que eu não contaminasse uma pessoa sequer, nem mesmo um colega sequer dos três estabelecimentos em que trabalho em três cidades: Cascavel, Toledo e Ouro Verde, muito menos nenhum familiar ou amigo. Estou agora de volta às minhas atividades médicas mais forte do que nunca e acredito que cada um fará a sua parte assim como fiz”, relatou o médico no texto lido pelo vereador Walmor Lodi. O vereador indagou ao médico curado da Covid-19 sobre a hidroxicloroquina e se houve seu uso no caso, o que ele negou, relatando a ocorrência de questionamentos a respeito da substância, o que tem afastado o seu uso.

“Somente se o paciente solicitar e após preencher uma documentação isentando o médico em caso de algum efeito colateral, mas o uso deste medicamento está muito controverso. Alguns médicos estão prescrevendo e outros não, mas está saindo dos protocolos dos hospitais”, relatou o médico, já recuperado e trabalhando novamente na região.

“Em nome do Alexandre, de toda a classe profissional que estão à frente, como pelotão de frente, queria agradecer a todos os médicos, médicas, enfermeiras que estão à frente no enfrentamento desta pandemia”, disse Walmor Lodi, pedindo a colaboração da população neste momento de agravamento do quadro da Covid-19 na região.

“Acho que temos que nos conscientizar, o povo de Toledo precisa sentir que estamos no pico. Não temos mais UTI em Toledo, Micheletto conseguiu 14 leitos em Assis Chateaubriand e estão todos utilizados, então peço, vamos fazer o que o COE manda, vamos fazer o que determina, vamos usar máscara, vamos usar álcool gel, por gentileza, não vamos nos aglomerar, em especial nos finais de semana. A doença está aí, ela é invisível e ninguém está vendo, o que nós queremos com o trabalho de todos é tentar salvar a vida de vocês, então, por gentileza, nos atendam neste momento e fiquem em casa. Aqueles que têm que trabalhar, na volta vão para casa, aqueles que não têm que trabalhar fiquem em casa porque realmente a coisa está feia e pode piorar ainda mais e é isto que nós não queremos”, disse o vereador. “Então só queremos alertar e conscientizar todo o povo de Toledo, vamos cuidar porque realmente a coisa está complicada para todos, isto é uma coisa nossa, de sentimento e de coração que a gente pede a todo o povo de Toledo”, finalizou.

Confira a leitura do depoimento em vídeo a partir de 41:04

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.