Câmara debate Plano Diretor e parque tecnológico

por Paulo Torres publicado 03/05/2016 18h25, última modificação 11/05/2016 12h18
A adequação do Plano Diretor visando instalar um centro tecnológico no Distrito de Novo Sobradinho foi tema de reunião na Câmara nesta terça, dia 3, a partir das 8:30h. O encontro reuniu 14 vereadores, entre os quais os cinco que integram a Comissão Especial do Plano Diretor, que está apreciando os quatro projetos de leis que preveem a sua revisão. Participaram ainda o presidente da Câmara, Ademar Dorfschmidt, o chefe do Gabinete do Prefeito, Jadyr Donin e o secretário da Fazenda Neuroci Frizzo, além do diretor financeiro da Prati-Donaduzzi Antonio Torquato e a engenheira civil da empresa, Flávia Baldório Batista, além de outras autoridades e lideranças.
Câmara debate Plano Diretor e parque tecnológico

Comissão Especial discutiu o parque tecnológico e a adequação do Plano Diretor

 

IMG_3656a.jpgA adequação do Plano Diretor de Toledo visando instalar um centro tecnológico na região do Distrito de Novo Sobradinho foi tema de reunião na Câmara Municipal nesta terça-feira, dia 3 de maio. O encontro a partir das 8:30h reuniu 14 vereadores, entre os quais os cinco que integram a Comissão Especial do Plano Diretor (Adriano Remonti, Expedito Ferreira, Luís Fritzen, Sueli Guerra e Tita Furlan), que está apreciando os quatro projetos de leis que preveem a sua revisão. Participaram ainda o presidente da Câmara, Ademar Dorfschmidt, o chefe do Gabinete do Prefeito, Jadyr Donin e o secretário da Fazenda Neuroci Frizzo, além do diretor financeiro da Prati-Donaduzzi Antonio Torquato e a engenheira civil da empresa, Flávia Baldório Batista, além de outras autoridades e lideranças.

Torquato fez uma explanação aos vereadores sobre a importância dos centros tecnológicos e falou dos modelos destes empreendimentos no Brasil, especialmente o de São José dos Campos, surgido em torno da Embraer. Segundo o executivo da indústria farmacêutica toledana o Rio Grande do Sul tem 16 parques tecnológicos, enquanto Santa Catarina tem nove e o Paraná 10, embora seja o mais rico na Região Sul, com o maior PIB. Ele apontou que o PIB do Paraná já é o quarto no Brasil, mas os indicadores de educação e desenvolvimento vêm caindo, defendendo o investimento em tecnologia como caminho para superar isto. Neste sentido destacou os parques tecnológicos de Foz do Iguaçu e Pato Branco e as providências necessárias para implantação de um projeto destes.

Antonio Torquato defendeu o atendimento dos requisitos legais, onde a adequação do zoneamento é fundamental, além de um Plano de Ciência, Tecnologia e Educação e um instrumento de governança e gestão do parque tecnológico. Para ele é fundamental a coordenação entre os parques, empresas e universidades, destacando que geralmente eles são vinculados a universidades, lembrando ainda a existência do incentivo do programa paranaense Pro-Parques. Ele defendeu a previsão de incentivos locais às empresas e convidou os vereadores a acompanhar visita na próxima semana a um parque tecnológico já implantado. Ele destacou ainda que a conquista de participantes num parque tecnológico depende de incentivos e não do porte do município. “O parque tecnológico de Pato Branco é tão competitivo quanto o de Recife ou o de São José dos Campos”, afirmou o diretor da Prati-Donaduzzi Antonio Torquato, que está se fixando na cidade e acredita que Toledo e a região têm um potencial enorme e apenas precisam dirigir para a tecnologia um pouco da riqueza de sua economia.

Os vereadores também discutiram o acesso à área prevista, que fica a 13 quilômetros da sede. Para Luís Fritzen o acesso deveria usar a Avenida Ministro Cirne Lima e a rodovia a Novo Sobradinho, não cortando áreas dos produtores. O vereador Lucio de Marchi lembrou a chegada dos empresários Luiz e Carmem Donaduzzi e destacou o projeto. “Só uma empresa do porte da Prati para pensar tão grande”, afirmou. O secretário Frizzo lembrou que atendeu o então prefeito Corazza e os empresários como gerente do Banestado e enquadrou seu financiamento de 50 mil no programa Bom Emprego. “Hoje quero estar vivendo de novo este momento”, comentou, defendendo incentivos ao projeto, que para ele pode originar “várias Pratis” no futuro e por isso tem recebido seu empenho.

O presidente da Câmara, Ademar Dorfschmidt, destacou o significado do encontro para o Poder Legislativo pelo que envolve do futuro de Toledo. “Agora está na mão da Câmara de Vereadores, o seu Luiz (Donaduzzi) está ansioso para lançar o projeto, tão logo o Plano Diretor esteja aprovado e este é um momento histórico para todos os vereadores” disse o presidente da Câmara Municipal. O vereador apontou que a Embraer não chega a empregar 6 mil pessoas em São José dos Campos, onde esteve recentemente, e estamos vendo um projeto onde a empresa-âncora tem 5 mil funcionários. “Um parque tecnológico que tem a possibilidade ter uma empresa-âncora como a Prati-Donaduzzi não tem no Brasil”, destacou o presidente da Câmara Municipal de Toledo.

Além dos vereadores da Comissão Especial, a reunião contou ainda com os vereadores Odair Maccari, Vagner Delabio, Airton Paula, Marcos Zanetti, Tita Furlan, Lucio de Marchi, Luiz Carlos Johann, Walmor Lodi e Rogério Massing.

 IMG_3650a.jpg

error while rendering plone.comments