Vereadores aprovam moção em apoio aos caminhoneiros

por Paulo Torres publicado 30/05/2018 10h25, última modificação 06/06/2018 10h16
A Câmara de Toledo apreciou na sessão de segunda-feira, dia 28, moção de apoio “ao movimento reivindicatório dos caminhoneiros e agricultores”. O Requerimento nº 103 destaca a posição da ABCam - Associação Brasileira dos Caminhoneiros de que "o aumento constante do preço nas refinarias e dos impostos que recaem sobre o óleo diesel, tornou a situação insustentável para o transportador autônomo”. Os impostos representam quase a metade do valor diesel na refinaria, aponta o documento, destacando que a carga tributária menor daria fôlego ao setor, já que o diesel representa 42% do custo da atividade.
Vereadores aprovam moção em apoio aos caminhoneiros

Moção de apoio aos caminhoneiros foi apresentada na sessão de segunda-feira

 

 

A Câmara de Toledo apreciou na sessão de segunda-feira, dia 28, moção de apoio “ao movimento reivindicatório dos caminhoneiros e agricultores”. O Requerimento nº 103 destaca a posição da ABCam - Associação Brasileira dos Caminhoneiros de que "o aumento constante do preço nas refinarias e dos impostos que recaem sobre o óleo diesel, tornou a situação insustentável para o transportador autônomo”. Os impostos representam quase a metade do valor diesel na refinaria, aponta o documento, destacando que a carga tributária menor daria fôlego ao setor, já que o diesel representa 42% do custo da atividade.

Os caminhoneiros de Toledo aderiram à mobilização que aconteceu em todo o Brasil, contra o aumento no valor do diesel, com o apoio dos agricultores, guinchos e motoristas de uber”, assinala o documento. Segundo o Sindicato dos Transportadores Autônomos em Toledo (Sinditac), o movimento na região Oeste segue as diretrizes da paralisação nacional, em movimento convocado pela ABCam, a qual pede a redução da carga tributária sobre o diesel.

Segundo relatos dos caminhoneiros “O combustível só aumenta, o frete está baixando cada vez mais, e nossa margem de lucro só diminui". De acordo com a Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP), o preço médio do diesel nas bombas já acumula alta de 8% no ano. O valor está acima da inflação acumulada no ano, de 0,92%, segundo o IBGE. Conforme a Unicam-União Nacional dos Caminhoneiros “a falta de programas de incentivos e política adequada dos preços de frete e a alta do combustível são as questões mais críticas que culminam nessas paralisações”.

A Unicam-União Nacional dos Caminhoneiros defende a instituição de uma política em favor dos transportadores autônomos com inclusão digital dos caminhoneiros, inibição à prostituição infantil nas rodovias, inserção da planilha de custos nas revistas especializadas do setor com tabela de frete para cada região brasileira e criação de pontos de paradas e descanso padronizados nas rodovias. “Por isso, manifestamos nosso apoio e disposição em contribuir em decisões que permitam avanços, melhorias e transparência no exercício da profissão não só dos caminhoneiros, mas dos profissionais que dependem deste meio de transporte para obter lucro e que sustenta o nosso país”, aponta o documento, subscrito pelos vereadores Renato Reimann, Airton Savello, Corazza Neto, Edmundo Fernandes, Gabriel Baierle, Genivaldo Paes, Leoclides Bisognin, Olinda Fiorentin, Pedro Varela, Vagner Delabio, Valtencir Careca e Walmor Lodi.

 

 

 

 

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.